Publicações

Aumento nas contas de energia assusta cearenses

Nos últimos meses, moradores do Estado estão relatando um aumento excessivo em suas contas de energia e muitos estão tendo que parcelar o valor para poder voltar a ter energia em suas casas. Com os costumeiros reajustes nas bandeiras de energia do país, sendo o último no final de junho, muitos papéis de cobranças têm sido impactados com as mudanças. Na regulação do mês passado, a tarifa vermelha saltou de R$6,24 para R$9,49. Contudo, de acordo com os residentes, os acertos nas bandeiras não são o principal fator para esse crescimento.

Um dos afetados pela alta cobrança dos valores foi o comerciante Francisco Rogério que apontou que nos meses de julho e agosto de 2020 suas tarifas de energia chegaram em sua casa com valores muito acima do esperado. Com preços abaixo de R$190 mensais, Rogério afirma que suas parcelas custaram R$303,04 e R$307,44, respectivamente. Um aumento de quase 62% em seus valores. Depois desses meses, o comerciante relatou que no mês de janeiro deste ano sua fatura apresentou nova elevação e chegou a custar R$267,05, o preço ainda ficou superior a suas expectativas.

“Não entendo como em um mês minha fatura chega a menos de R$190 e em outro ela vem maior que esse valor, as bandeiras não aumentam tanto minha fatura e só mora eu, minha mulher e meus filhos, meus gastos com energia não são tão altos”, comenta Rogério. Ele também afirma que em ambas as faturas solicitou à companhia elétrica Enel Ceará um pedido de reavaliação para tentar conseguir um abatimento no valor excessivo. “Das vezes que eu entrei com o pedido, eles pediram para aguardar, mas como não podia ficar sem energia em casa acabei tendo que dar uma entrada e parcelar o valor para pagar”, conclui.

Como medida para buscar o abatimento no valor de suas parcelas, muitos consumidores estão recorrendo ao Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública do Estado para sanar suas dúvidas e tentar resolver o problema. A reclamação de cobrança indevida nas faturas por parte da companhia elétrica já está entre as principais causas de ligações dos moradores nos últimos meses.

Orientação
Para identificar se o valor de sua fatura está excessivo ao preço que veio em suas antecessoras, o defensor público e atuante na unidade dos Juizados Especiais Cíveis, Dani Esdras, afirma que no primeiro momento o consumidor deve analisar os quilowatts/hora (kWh) da sua conta, por conta dos diversos aumentos que a unidade está sofrendo pode influenciar no acréscimo na tarifa de energia.

Ou seja, segundo o defensor, o consumo pode não ter apresentado crescimento no mês, mas o valor sobre o kWh pode ter sofrido algum reajuste. “Tem que ver se a fatura está dentro da média, se não tiver dentro da média de consumo dele normal, – o consumidor deve – fazer a reclamação na Enel”, explica Esdras.

Se o pedido não for atendido pela companhia, o defensor aconselha o cliente a procurar serviços de defesas do consumidor como o Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) ou o Programa Estadual de Proteção e Defesa do Consumidor (Decon) que podem resolver a situação por meio de acordos. “Caso não consiga resolver no Procon ou no Decon, ele quiser judicializar a demanda ele pode procurar a Defensoria Pública”, afirma Esdras.
A medida não priva somente as contas recentes, o defensor confirma que se o consumidor já tiver realizado o pagamento do valor excessivo, ele pode entrar com o processo juntamente com a defensoria e solicitar o ressarcimento do valor pago.

 

Fonte: O Estado CE

Publicado em 26/07/2021 11:15