Publicações

Autoprodução de energia elétrica é a nova tendência

Novas tecnologias, diminuição do tempo de retorno do investimento, rentabilidade, preocupação com a sustentabilidade e acesso a fontes renováveis mais baratas tornaram a autoprodução de energia elétrica cada vez mais atrativa. Tendência que também vem sendo observada no Ceará.

Dados da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) revelam que em 2013, quando a entidade iniciou a série histórica, o Estado contabilizava apenas 11 unidades de autoprodução, com capacidade para geração de 48,3 Kilowatts (Kw). Destas, somente cinco unidades pertenciam a empresas dos setores do comércio e da indústria (33,7 Kw).

Porém, oito anos depois, em julho de 2021, já são 14.449 unidades de autoprodução em território cearense, cuja capacidade instalada cresceu de forma exponencial, atingindo aproximadamente 221 Megawatts. Nessa conta, 2.638 unidades de autogeração estão instaladas em estabelecimentos comerciais e industriais, respondendo por 124 MW. Quando se olha para a capacidade de produção de energia elétrica, as empresas concentram mais da metade (56%) da capacidade instalada de autogeração no Ceará.

“Embora a quantidade de unidades de autogeração seja maior na classe de consumo residencial, quando se considera a potência instalada, o que se observa é um avanço muito maior nas classes comercial e industrial”

Daniel Queiroz, Diretor Técnico do Sindicato das Indústrias de Energia e de Serviços do Setor Elétrico do Estado do Ceará (Sindienergia-CE)
Neste contexto, acrescenta Joaquim Rolim, coordenador de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e diretor técnico da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD), quem se destaca na autoprodução de energia elétrica entre as empresas no Ceará é o setor comercial, com 46% do total instalado no Estado, seguido da indústria. Quando se olha para o setor industrial, detalha, os setores Metalúrgico, Minerais Não Metálicos e Têxtil são os que mais têm investido na geração para consumo próprio.

Rentabilidade, sustentabilidade e eficiência são atrativos

Conforme Queiroz, rentabilidade, sustentabilidade e eficiência energética são os fatores que, alinhados, têm feito com que cada vez mais as empresas brasileiras e cearenses apostem na produção de energia para consumo próprio a partir de fontes renováveis.

“No que diz respeito à rentabilidade, por exemplo, a economia na conta de energia pode chegar a uma redução de até 95%, a depender da classe de consumo. Nesse sentido, eu sempre cito como exemplo esta padaria no Interior do Ceará, que depois de partir para a produção da sua própria energia, por meio da fonte solar, viu a sua conta de luz despencar de R$ 60 mil/ano para R$ 2,5 mil/ano”

Joaquim Rolim, coordenador de Energia da Federação das Indústrias do Estado do Ceará (Fiec) e diretor técnico da Associação Brasileira de Geração Distribuída (ABGD)
De acordo com ele, o grande poder das energias renováveis consegue trazer tanto rentabilidade como eficiência energética para os negócios. “Quem aposta na autoprodução de energia se livra das bandeiras mais caras de energia, não paga mais reajuste anual de tarifa, ficando sujeito apenas à revisão, que acontece a cada três anos”, expõe.

De fato, reforça Rolim, a principal razão para a decisão de se instalar a geração própria de energia é a possibilidade de redução de custos, já que a energia é um insumo que tem subido muito de preço ano após ano.

“Além disso, tem também o apelo ambiental e da sustentabilidade. Para os consumidores de menor porte, por exemplo, existe a oportunidade da geração distribuída através da energia solar, que possui fontes de financiamento adequadas, onde praticamente se paga a prestação com a redução do custo da conta de luz. E o tempo de retorno do investimento também é atraente”, afirma.

Retorno do investimento está mais rápido

De acordo com Queiroz, ao lado da rentabilidade, a redução no tempo de retorno do investimento é outro aspecto que tem tido um peso a mais na decisão de produzir energia para consumo próprio. “Nos últimos anos, o tempo de retorno do investimento realizado para implantação dos equipamentos de autogeração de energia vem caindo. Antes se registrava de seis a oito anos para reaver o dinheiro investido. Hoje, dependendo do tamanho da planta de autogeração, esse retorno pode acontecer em até dois anos”, justifica.

Segundo o diretor técnico do Sindienergia-CE, essa redução está associada à queda no custo dos equipamentos para a geração, enquanto o valor das tarifas de energia elétrica vem, por outro lado, subindo. “Essa relação, custo dos equipamento e valor das tarifas de energia, tem proporcionado um retorno mais rápido do valor investido”, fala.

Fonte solar lidera a autoprodução de energia

Levantamento do Sindienergia-CE, com base nos dados da Aneel, aponta que quase 98% da geração distribuída não só no Ceará, mas em todo o país, se concentra na fonte solar fotovoltaica, atraindo empresas de todos os portes. “Principalmente pela facilidade de instalação, operação e manutenção”, explica Joaquim Rolim.

Características, complementa o coordenador da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) no Ceará, Jonas Becker, que fazem com que a aposta na autoprodução a partir dessa fonte de energia cresça ano após ano. “Em média, vem dobrando a cada ano”, revela.

Para efeito de comparação, expõe, em 2019, com base nos dados da Aneel, o Brasil possuía 122.621 usinas de geração distribuída, sendo 122.599 a partir da fonte solar fotovoltaica; e 1,6 Gigawatts (GW) de capacidade total instalada, com 1,5 GW só deste tipo de geração. Destas unidades, 23 mil eram de empresas comerciais e 3,2 mil de indústrias, somando 26,2 mil usinas de produção para consumo próprio.

Já em julho de 2021, emenda, são 532.846 usinas de autogeração em todo o país, sendo 532.595 de fonte solar fotovoltaica e 6,32 GW de potência instalada. Desse montante, 79,8 usinas estão de estabelecimentos comerciais e 11,5 em industriais. No total são 91,3 mil usinas de autogeração em empresas em todo o país com geração solar. Ou seja, mais de três vezes o existente há dois anos.

Trazendo para a realidade do Ceará, continua Becker, em 2013, de um total de 2.573 usinas de autoprodução de energia elétrica no estado, 2.572 tinham como fonte a energia solar fotovoltaica e capacidade instalada de 39 MW. Desse volume, 545 estavam em empresas comerciais e 54 em indústrias, totalizando 600 unidades.

Enquanto isso, em julho deste ano, já são 14.449 usinas de autoprodução no Estado, sendo 14.423 de geração solar e capacidade instalada de 221 MW. Desse montante, 2,4 mil estão em operação no comércio e 223 em indústrias, somando pouco mais de 2,6 mil usinas, ou aproximadamente quatro vezes mais do que há dois anos.

“Esse avanço na geração própria de energia elétrica a partir da fonte solar fotovoltaica é puxado por uma solução financeira que se encaixa no orçamento das empresas, pela redução dos custos na conta de luz, pelo menor desperdício, pela usina estar no local onde há o consumo. Além disso, devemos considerar que a autoprodução de energia elétrica melhora a qualidade da rede, pois descentraliza a geração e ainda tem a questão ambiental, por ser uma fonte inesgotável, limpa e renovável”

Jonas Becker, coordenador da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar) no Ceará

De acordo com Joaquim Rolim, da Fiec e da ABGD, apenas na geração distribuída de energia solar já foram investidos mais de R$ 600 milhões no Ceará. “Se acrescentarmos a geração própria com geradores diesel, e outras fontes, supera-se a casa de R$ 1 bilhão”, afirma.

Perspectivas para o setor

Diante de todo esse avanço no mercado de geração própria de energia pelas empresas, para onde ainda caminhamos? Para Rolim, “o futuro é muito promissor, visto que a geração própria de energia propicia muitos benefícios para a Sociedade, pois reduz as perdas de energia no transporte desde a usina até o local de consumo, reduz a necessidade de investimentos na rede de distribuição e de transmissão de energia, propicia redução de custos, além disso, provê sustentabilidade empresarial e ambiental”.

“Há um caminho natural em direção aos chamados Recursos Energéticos Distribuídos (RED), pois o consumidor passará a ser protagonista no processo, pois poderá contribuir decisivamente para a qualidade e suprimento da energia, e com a transformação energética e a maior eletrificação dos processos produtivos, por exemplo no setor de transporte. Isso com uso de energias limpas, renováveis e baratas, que temos em abundância no Ceará. Cada um de nós pode contribuir, apoiando esta causa tão nobre, e que pode gerar emprego e renda no Estado”, avalia.

“Nesse sentido, acredito que a geração distribuída de energia elétrica venha a ser um dos puxadores da retomada econômica do Brasil no pós-pandemia, dada a capacidade tanto de geração de emprego e arrecadação pelo governos. Trata-se de um mercado ainda muito grande a ser explorado. Muitas soluções tecnológicas tendem a ser apresentadas e temos um potencial enorme de crescimento. Em dois a três anos, a geração distribuída de energia, sobretudo solar, deverá continuar crescendo na casa dos dois dígitos”, aponta Jonas Becker, da Absolar.

Fonte: Trendsce

Publicado em 26/07/2021 16:14